Fazenda onde nasceu o blogueiro. Foto Luis Fernando Gomes

Fazenda onde nasceu o blogueiro. Foto Luis Fernando Gomes
Fazenda onde nasceu o blogueiro. Foto Luis Fernando Gomes

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

O corrosivo humor de Emílio de Menezes.

Após muitas postagens sérias, falando de filosofia e psicologia, nada como humor inteligente e perspicaz para nos alegrar a semana dura que se incia (para quase todo mundo  a semana é dura; precisava "ser mana" e não madrasta).

Emilio de Menezes (1866-1918) foi jornalista e poeta curitibano que chegou até mesmo ser membro da Academia de Letras. Era famoso por seus trocadilhos, frases mordazes e críticas ferinas.. Alguns exemplos:

Perguntaram-lhe certa vez se ele sabia qual era a parte mais bonita da mulher. Respondeu:
- Sei-o

  • Contam que, viajando num bonde, tentava sentar-se a seu lado uma atriz enfadonha que lhe assediava sempre que o encontrava. Percebendo haver alguns lugares disponíveis mais atrás, saiu-se então Emílio com esta:
"Atriz atroz, atrás há três!"

Passou uma mulher cheia de jóias pela rua e alguém comentou:
- Que beleza de brilhantes leva aquela senhora!
Emilio replicou na hora:
- Podem ser di... amantes.

Perguntaram-lhe qual era a principal diferença entre o homem e a mulher. Respondeu:
- Eu não concebo.


Cartaz de ontem, à porta de uma redação:
"O sr. senador... não comparecerá hoje ao Senado."
Se começam a noticiar tudo que não vai acontecer, vão ter um noticiário supimpa!

***

A nossa inefável polícia:
Há um conflito. Dão-se tiros de revólver- Chegam os repórteres.
— Que houve aqui?
— Nada. Uns tirozinhos à-toa...
— Mas vocês prenderam?
— Sim, decerto. Prendemos este revólver.

***

Trecho de um discurso patriótico, ontem pronunciado por uma professora suburbana:
- A nossa bandeira é verde-amarela!
Nós temos dever de amar ela!

***

- Por que é que se chama de ano bom o ano que se começa?
- Porque se tem a impressão de que ele não poderá ser igual ao que se acabou.

***

Algumas das principais profecias do Múcio, que serão brevemente publicadas no Almanaque do Barão Ergonte a sair à luz:
- O ano de 1912 terá 365 dias, repartidos em quatro trimestres de três meses cada um.
- Haverá neste ano diversos fatos de grande importância, outros de importância menor; a maior parte não valerá nada.
- O ano será fértil em desastres de automóveis e descarrilamentos na Central.
- Morrerá neste ano um cidadão de avançada idade, muito estimado por seus amigos e a quem todos os seus netos chamam de vovô, exceto um, que ainda não sabe falar.
- Haverá diversas reclamações sobre a falta d'água e sobre o aumento das contas do gás.
- Os telegramas da Europa referir-se-ão amiudadas vezes à questão do Oriente e à polícia imperialista da Alemanha.
- Morrerão na Europa três pessoas importantes que estiveram vivas durante este ano inteiro.
- Fará intenso frio na ilha de Spitzberg e o calor no Sahara será insuportável no verão.
- O Brasil continuará à beira de um abismo.
- Haverá diversas reformas em diversas repartições de diversos ministérios.
- O ano terminará impreterìvelmente a 31 de dezembro.

2 comentários:

  1. Excelente postagem, fino humorismo, crítica mordaz.

    ResponderExcluir
  2. Inteligente postagem!!!

    ResponderExcluir